• Cariri in Foco

João condena fala de Bolsonaro na ONU: “Repete o erro que levou país a quase 600 mil mortos”


O governador João Azevêdo (Cidadania) reagiu na tarde desta terça-feira (21) ao discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova York.

O presidente Bolsonaro defendeu o tratamento precoce contra a Covid-19, se disse contra o passaporte sanitário e vacinação obrigatória e atacou governadores.

O governador paraibano usou o Twitter para criticar o posicionamento de Bolsonaro.

“Ao atacar governadores na ONU e insistir no mesmo discurso de tratamento ineficaz que defende desde o início da pandemia, o presidente da República repete o mesmo erro que levou o país a quase 600 mil mortos pela Covid-19. O Brasil enfrenta duas crises: uma sanitária e outra, a crise da propagação de fakenews. Para a primeira, vacina. Para a segunda, a verdade e a democracia”, escreveu Azevêdo.

Discurso na ONU

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, nesta terça-feira (21), em Nova York, o presidente Bolsonaro defendeu o tratamento precoce contra a Covid-19 e se disse contra o passaporte sanitário e vacinação obrigatória. Ele iniciou seu discurso afirmando que mostraria um Brasil diferente do publicado em jornais ou visto em televisões.

“O Brasil mudou e muito desde que assumimos o governo. Estamos há 2 anos e 8 meses sem qualquer caso de corrupção. O Brasil tem um presidente que acredita em Deus, valoriza a constituição”, disse Bolsonaro, afirmando que o país estava “à beira do socialismo”. Segundo ele, o país conseguiu recuperar sua credibilidade diante do mundo.

Bolsonaro disse lamentar as mortes ocorridas no Brasil e no mundo, ao mesmo tempo em que afirmou ser contra a obrigatoriedade da vacina. “Sempre defendi o combate ao vírus”, frisou. Para ele, os decretos de lockdown deixaram um legado de inflação, sobretudo nos gêneros alimentícios.

“Apoiamos a vacinação, contudo nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário ou qualquer obrigatoriedade”, disse.

Bolsonaro destacou que desde o início da pandemia se posicionou pelo tratamento precoce, seguindo entendimento do Conselho Federal de Medicina. “Não entendo porque muitos países, junto com a mídia se colocaram contra o tratamento inicial”, disse.

A ineficácia do tratamento precoce contra a Covid-19, defendido por Bolsonaro, já foi comprovada cientificamente.

MaisPB

10 visualizações0 comentário